Caza Urbano inspira programa de recuperação de esqueletos de prédios abandonados em canoas

Diário de Bordo
11/05/2022
Tempo de leitura: 4 minutes

A prefeitura deve encaminhar projeto de lei ao legislativo nos próximos meses. Em reunião na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Canoas, a CICS, (10/05) o secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação, César Moreira, apresentou os primeiros levantamentos do que será um programa de incentivo à revitalização de prédios abandonados na cidade. A iniciativa foi inspirada no projeto de readequação do esqueleto de prédio que estava, há pelo menos seis anos, parado, na Av. Santos Ferreira, 750, bairro Marechal Rondon.

A Caza Incorporações adquiriu o imóvel, regularizou todos os passivos jurídicos e tributários e apostou na proposta de um projeto de retrofit, ou seja, de preservar a estrutura original, adequada a legislação vigente e com novos e modernos traços de engenharia e arquitetura. “Nós apresentamos o projeto à prefeitura, em reunião no mês de março, porque entendemos que o modelo poderia beneficiar a cidade, se o poder público trouxesse incentivos para agilizar os processos de licenciamento e tornar atrativa a recuperação desses prédios privados que estão sem uso na cidade”, conta Renan Zancanaro, proprietário da Caza Incorporações.

 

O secretário César Moreira apresentou ao presidente André Guindani e aos demais diretores da CICS fotos de, pelo menos, uma dúzia de prédios que fazem parte do mapeamento que está sendo feito pela cidade. “A equipe de técnicos e fiscais está identificando e analisando a situação de obras paradas para definir quais estão realmente abandonados e são passíveis dessa política de incentivo,” explica Moreira. São imóveis que têm paredes erguidas e que, inacabados, não cumprem sua função social e ainda se tornam propensos a irregularidades pelo uso inadequado. Além desse levantamento, a expectativa é enviar um projeto de lei, que está sendo trabalhado na secretaria e pela Procuradoria Geral do Município, para a análise da Câmara de Vereadores, nos próximos meses.

Estão em estudo, possíveis benefícios para a recuperação, por exemplo, de dívidas desses empreendimentos, como parcelamentos e isenções temporárias de impostos municipais, como o IPTU e o ITBI. “Além de qualificar o visual urbanístico da cidade, queremos atrair investidores para Canoas”, afirma o secretário que explica que a equipe já está à disposição para orientar possíveis interessados, mesmo antes da lei aprovada, como uma forma de consultoria. DE INSPIRAÇÃO À OBRA EM EXECUÇÃO: O retrofit do Caza Urbano é um empreendimento assinado pelos arquitetos Valdir Bandeira Fiorentin e Adriana Silva da Silva, da A3 Arquitetura.Engenharia. Os seis andares foram readequados para 19 salas comerciais de 40m2 a 130m2 e loja térrea com mais de 500m2. Em alguns pavimentos, há área de terraço ou mezanino e as plantas são flexíveis, possibilitando a integração de escritórios.

Placas solares também integram os elementos de sustentabilidade. No estacionamento, conceitos como a “vaga verde”, destinada a carros elétricos, bicicletário, para facilitar a mobilidade, e lockers, ou armários de depósito, para cada escritório. Outro destaque da obra será a preservação da história e da memória do prédio ligadas à cidade pela arte urbana. Os artistas visuais Guilherme Menezes, Mateus Kenta e Iam Persona foram convidados para marcar seus grafites, primeiro no tapume da obra e, depois, ao final da fase de construção civil, com um muro tela de cerca de 20m2. Um projeto que vem para resgatar a arte espontânea de dezenas de artistas que coloriram a maior parte das paredes internas enquanto a obra estava parada, formando uma espécie de galeria urbana. “A gente ficou muito surpreso com a qualidade dos trabalhos que estavam, de certa forma, escondidos dentro do prédio e decidiu encontrar alguns desses artistas e dividir o trabalho deles com a comunidade canoense”, conta Zancanaro. A previsão de entrega do imóvel é para o final deste ano.

Simone Feltes (Reg Prof 9634) 51 99918-0608 – Imagens: divulgação.